8 Passos para tornar as regras claras para o seu filho

As Regras

Quando começar a disciplina
Desde muito cedo que a criança compreende o significado da palavra “não”. As regras tornam-se, então, bastante importantes, uma vez que se constituem, também, numa fonte de segurança para a criança.
Mas… Desde quando começar? Como explicar à criança as regras?

A disciplina começa exatamente no primeiro dia de vida do bebé. Neste post iremos abordar a faixa etária a partir dos 9 meses. Numa publicação posterior abordaremos o que fazer nos meses antecedentes (fiquem atentos!).

“Aos 9 meses surge um novo desenvolvimento conhecido como «referenciação social». O bebé procura no rosto dos pais informações que é capaz de decifrar prontamente, sobre o que se está a passar, incluindo o seu próprio comportamento.” [2]
É possível observar na criança que, muitas vezes, quando vai fazer algo que não é suposto olha para o rosto dos pais, de modo a tentar clarificar a confusão que o seu desejo desencadeou. Ela já é capaz de reconhecer a dureza da expressão que significa “Não”!
Agora, “começou o tempo da disciplina a sério. Até aqui, a distração era suficiente. Agora, exige-se firmeza.” [2]

A disciplina é o segundo presente mais importante que um pai pode dar a uma criança. O amor vem em primeiro lugar, é claro.

Como já foi referido, a segurança que a criança encontra na disciplina é essencial, pois sem ela não há limites. As crianças precisam de limites e sentem-se seguras com eles. É, então, tarefa dos prestadores de cuidados estabelecer estes limites.
A disciplina tem a ver com o ensino e não com a punição. Não acontece de um dia para o outro. Exige repetição e paciência.
E agora os papás pensam: “Mas eu estou sempre a dizer que não e ele volta a fazer sempre o mesmo!”. Pois é, as crianças precisam que os pais digam «não» até que a lição tenha sido aprendida e já não precise de ser testada. Aprendem pela repetição.

O objetivo a longo prazo para a disciplina é promover o autocontrolo da criança, para que esta seja capaz de estabelecer os seus próprios limites. A disciplina tem de ser adaptada a cada criança e deve ser equilibrada.
Nesta idade torna-se imperativo mensagens claras e consistentes. Ou seja, para cada situação a resposta dada tem que ser sempre a mesma: se é não hoje, será não amanhã. Caso contrário, se a resposta não for clara, a criança continuará a fazê-lo.

Porque é que todas as crianças testam os pais?
Fazem-no porque estão a tentar perceber: será sempre não? Ou será não quando for dito desta maneira? Ou daquela? Também é não na cozinha? É não quando estão pessoas cá em casa ou é só quando estamos sozinhos?

Para tornar as coisas ainda mais confusas, o não nem sempre é transferido de um contexto para o outro: por exemplo, em casa dos avós, se calhar, até pode mexer no comando da televisão mas em casa dos pais não pode. Acrescente-se isto ao facto de as regras e as expectativas mudarem à medida que a criança cresce.
Assim, torna-se importante que ambos os pais tenham as mesmas expetativas para a criança e estabeleçam as regras em conjunto para que não hajam diferenças. Pais com diferentes expectativas da criança transmitem, para esta, numa mensagem confusa.

Então, se pensarmos em tudo o que estamos a pedir às crianças que aprendam, é fácil percebermos por que razão a repetição, a consistência e a clareza das mensagens são tão importantes.[2] Lembre-se que, apesar de por vezes ser complicado, a desobediência da criança não é um ataque aos pais mas sim uma forma de aprendizagem através da tentativa.

Vamos, então, a coisas práticas.

Como tornar as regras claras e consistentes?

  1. Decida quais são as regras
  2. Adapte-as às capacidades e necessidades de cada criança – as regras não têm de ser iguais para todos e os pais devem ajudar a criança a perceber o significado da justiça
  3. Ambos os pais devem estar de acordo sobre este assunto
  4. Explique à criança qual a regra, com palavras, gestos, e tom de voz
  5. Espere que a criança o volte a desafiar
  6. Responda sempre da mesma maneira. Qualquer variação aguça a curiosidade da criança em ver o que acontece da próxima vez
  7. Espere que as novas capacidades da sua criança o surpreendam
  8. Faça avaliações e revisões regulares das suas regras e expectativas. À medida que a criança cresce, precisará de ajustar alguma delas

Esta tarefa não é fácil. Contudo, as babysitters da MyBabysitter estão cá para dar seguimento, durante o babysitting, às regras já impostas pelos pais de forma a ajudá-los durante este processo.

Beijinhos e xi-corações!

Fontes:


  1. 1.Ballenato, G. (2010). Educar sem gritar. Lisboa: Esfera dos livros
  2. 2.Brazelton, T. (2013). A criança e a disciplina. Lisboa: Editoral Presenças
Comentários